terça-feira, 26 de julho de 2016

Um bolo simples de banana e erva doce # A simple banana and fennel seeds cake



Chega uma altura na vida de qualquer cozinheira (o) em que não há como escapar à presença incómoda e pachorrenta de umas quantas bananas super maduras. Acontece sempre durante o Verão, a única altura do ano em que o poder do calor consegue ser  superior ao apetite pelas mesmas. É que por aqui as bananas não se comem, devoram-se.   E quando, muito raramente,  até o devorar não chega, então aí transforma-se a matéria prima em matéria doce.

Começou pelo cheiro. Pela descoberta de que o perfume intenso das bananas maduras me lembrava um cheiro, uma especiaria familiar. Descobri-o por fim, ao abrir o frasco onde guardo a erva doce. Tantas notas em comum, o resultado só podia ser bom. 
Tudo para dizer que este bolo é absolutamente delicioso! A textura húmida, amanteigada. O sabor tão aromático. A presença das bananas em cada dentada... Por isso não se deixem intimidar pelo poder dos elementos!  Ainda há esperança!! E ela vem na forma de um bolo simples de banana e erva doce :)



In English
There comes a time in every cooks life when there´s no escape from the uncomfortable, sluggish presence of overripe bananas. It always happens during the Summer, the only time of year in which the power of heat can be greater than the appetite for them. In here we don´t eat bananas, we devour them. And when, which happens very rarely, to devour is not enough, then the raw material becomes baked material.

It started with the scent. By discovering that the intense scent of overripe bananas reminded me of a smell, a familiar spice. I found it at last, when I opened the jar where I keep the fennel seeds. So many notes in common, the result could only be good. 
All to say that this cake is absolutely delicious! The moist, buttery texture. The aromatic flavor. The presence of the bananas in every mouthful... So do not be intimidated by the power of the elements! There´s still hope!! And it comes in the shape of a simple banana and fennel seeds cake :)





Ingredientes:
100 g de amido de milho (maizena)
140 g de farinha sem fermento
1 colher de chá de fermento em pó
225 g de açúcar amarelo
4 ovos
250 g de manteiga sem sal amolecida
100 ml de leite meio gordo
2 bananas médias (cerca de 200 g ) esmagadas e regadas com sumo de 1 limão pequeno
1 colher de chá bem cheia de erva doce moída
1 colher de chá de extrato ou aroma de baunilha
2 bananas cortadas de cima abaixo

Preparação:
*Pré aqueça o forno a 180º, marca 4 do fogão a gás.
*Unte uma forma redonda (22 cm de diâmetro) com manteiga e forre a base com papel vegetal, coloque as duas bananas cortadas na base da forma, em cima do papel vegetal e com a parte cortada virada para baixo.
*Bata o açúcar com a manteiga mole até ficar com uma mistura fofa.
*Junte os ovos, um a um, batendo entre adições.
*Junte o leite, o puré de banana, a erva doce e a baunilha e misture bem.
*Por fim junte as farinhas e o fermento peneirados e misture bem.
*Verta a massa de bolo na forma e leve ao forno por 50 minutos.
*Insira um palito no bolo, se este sair seco está pronto.
*Tire do forno e espere que arrefeça um pouco antes de desenformar.
*Coloque numa rede de bolos até que arrefeça totalmente.




Ingredients:
100 g corn starch
140 g cake flour
1 tsp baking powder
225 g light brown sugar
4 eggs
250 g soft unsalted butter
100 ml semi skimmed milk
2 medium bananas (about 200 g) mashed and drizzled with the juice of 1 small lemon
1 heaped tsp of ground fennel seeds
1 tsp vanilla extract
2 bananas cut in half (lenghtwise)

Preparation:
*Preheat the oven to 180º, 350f, gas mark 4
*Butter a round cake tin (22 cm diameter) and cover the bottom with parchment paper, place the banana halfs in the botton of the pan, cut side down.
*Beat the sugar with the butter until creamy.
*Add the eggs, one by one, beating between aditions.
*Add the milk, banana pure, fennel seeds, vanilla and mix well.
*Stir in the sifted flours and baking powder.
*Pour the batter into the prepared tin and bake for aprox. 50 minutes.
*Insert a wooden skewer, if it comes out clean it´s ready.
*Remove from the oven, let it cool a bit, unmold, remove the parchment paper and place on top of a wire rack to cool completely.





Print Friendly and PDF

terça-feira, 19 de julho de 2016

Savarin de anis com frutos de Verão # Star anise savarin with stone fruits




São agora já muitos os anos em que por breves temporadas vou até Caminha, Vilar de Mouros e Vila Nova de Cerveira. O meu Norte faz-se também destes sítios, tão ricos em história e lendas, com a abundância à flor da pele, de verde, de perfumes de ervas e flores silvestres, de bons vinhos e de boa comida minhota. Foi por lá que estivemos na semana passada.

Em Fevereiro do ano passado, em pleno Inverno fizemos o caminho da costa para Santiago. Na manhã seguinte à nossa chegada a Caminha combinamos com o pescador que faz as travessias de barco para Espanha e lá fomos nós, foz do Minho adentro, o dia ainda a clarear, com roupa quente até às orelhas e salpicos de água gelada como picadelas certeiras, nas nossas caras ainda estremunhadas. Ao pisar areias de Espanha começamos mais um dia de caminhada que desta vez nos ia levar por A Guarda e algumas das praias mais bonitas que já vi. E foi por isso que a incluímos no nosso roteiro, nesta escapadela de Verão. Tenho pena de não ter fotos "oficiais" dessas praias mas o calor era tanto que entre carregar quilos de equipamento fotográfico e digerir outro tanto (ou quase) de ameijoas, mexilhões e lagostins, fiquei-me pelos últimos. Escolha sábia, certo? Eu sabia que concordavam comigo :)  Quem sabe para a próxima...

Entretanto Cerveira acolheu-nos de coração aberto e engalanada com cores entrelaçadas por mãos cheias de arte! Tão bonito ver a Vila coberta de crochet em cada recanto. Árvores, bancos, floreiras, fachadas e claro cervos, vários cervos "vestidos" a rigor, a lembrarem que o nome dado à vila poderá ter surgido graças a uma grande colónia de cervos que terá existido por aqueles montes.

Mas agora já estou de volta. E com uns quantos savarin,  macios, húmidos e delicados, bem regados com xarope de anis e coroados com natas frescas e frutos de Verão. Um doce que por ser tão bonito merece uma ocasião especial mas claro, nisto da comida o que vale mesmo é fazer o gosto à vontade e havendo vontade todos os dias são bons para "savarinar" :)




In English
It´s been many years since I first started to spend brief seasons in Caminha, Vilar de Mouros and Vila Nova de Cerveira. My north is also made by these places, so rich in history and legends, with the bounty at the surface of the skin of green, perfumes of herbs and wild flowers, good wine and good  food from Minho.
It was there that we went last week.

In February, last year we walked the Portuguese coast way to Santiago. The morning after our arrival in Caminha we talked with the fisherman that makes the boat crossings to Spain and so we went, inside the mouth of the Minho river, the day still to clear, with warm clothes up to our ears and splashes of cold water as well aimed pricks in our, still not fully awaken, faces. Once we stepped spanish sands, another day of walking began, that this time would take us through A Guarda and some of the most beautiful beaches I´ve ever seen. And that´s why we included it in our little Summer escapade. I´m sorry not to have "official" photos of those beaches but the heat was so intense that between carrying quilos of photographic gear and digest as much as I could of clams, mussels and crayfish, I chose the last. Wise choice, right? I knew you would agree with me on this one :) Who knows, maybe next time...

In the meantime Cerveira welcomed us with open heart decked with colors intertwined by artfull hands. So beautiful to see the crochet covered village. Trees, benches, flower boxes, facades and of course deer, several deer, all "dressed up" remembering us that the name given to the village may have arisen due to the ancient existence of a large colony of deer in the surrounding hills.

But now I´m back. And with a few savarin. Soft, moist and delicate, well watered with anise syrup and crowned with freshly whipped cream and stone fruits. A sweet that for being so beautiful deserves a special occasion, but off course, in these things of the food what really matters is to please the craving and when the craving emerges, every day is a good day for some "savarinating" :)















Ingredientes: faz 12 bolinhos
250 g de farinha
100 g de manteiga sem sal
1 sachet de fermento de padeiro desidratado
100 ml  de leite meio gordo
4 ovos
30 g de açúcar
Pitada de sal

Para o xarope:
300 ml de água
100 g de açúcar
2 estrelas de anis

Para servir:
Natas batidas
Alperces e nectarinas


Preparação:
*Unte uma forma  de 6 donuts (ou duas, se o seu forno for convetor), ou 12 forminhas de savarin  com manteiga e reserve.
*Derreta a manteiga e deixe arrefecer totalmente.
*Coloque a farinha numa taça, faça um buraco no meio e junte o fermento, o sal, o leite e uma colher de chá de açúcar.
*Misture muito bem, tape com um pano e deixe levedar por 30 minutos.
*Junte os ovos batidos, a manteiga e o restante açúcar à mistura de farinha e ligue bem. Tape e deixe levedar mais 30 minutos. A massa vai ficar mole e pegajosa mas é mesmo assim.
*Tire o ar à massa sem a sovar muito e encha os espaços das formas quase até cima.
*Deixe levedar novamente por 30 minutos.
*Pré aqueça o forno a 190º, marca 5 do fogão a gás.
*Leve ao forno por 25 a 30 minutos.
*Para fazer o xarope leve os ingredientes ao lume num tachinho e deixe ferver por 7 minutos. Deixe arrefecer.
*Tire os savarin do forno, deixe arrefecer um pouco, desenforme e coloque-os em cima de uma rede colocada em cima de um tabuleiro de forno.
*Deixe os savarin arrefecerem totalmente e depois verta o xarope frio em cima de cada bolinho. Devem ficar bem embebidos mas sem se desfazerem.
*Sirva com natas batidas e com alperces e nectarinas.



Ingredients: makes 12 cakes
250 g cake flour
100 g unsalted butter
1 sachet of dry yeast
4 eggs, beaten
100 ml semi skimmed milk
30 g caster sugar
Pinch of salt

For the syrup:
300 ml water
100 g sugar
2 star anise

To serve:
Whipped cream
Stone fruits (apricots and nectarines)

Preparation:
*Butter 2 donut pans or 12 savarin moulds and set aside.
*Melt the butter and let it cool completely.
*Put the flour into a bowl and make a hole in the middle, add the yeast, 1 tsp of sugar, salt and the milk.
*Mix everything until you have a rough dough.
*Cover the bowl with a kitchen towel and let it rise for 30 minutes in a warm corner.
*Add the eggs, butter and remaining sugar and mix until you have a soft but sticky dough, cover with a kitchen towel and let it rise for 30 minutes more.
*Preheat the oven to 190º, 375f, gas mark 5.
*Pour the dough into the moulds almost to the top.
*Bake for 25 to 30 minutes, until golden.
*To make the syrup put all the ingredients inside a small saucepan and take to the heat, boil for 7 minutes and remove from the heat. Let it cool completely.
*Remove the cakes from the oven, let them cool a bit, unmold and put them on top of a wire rack, inside a baking tray.
*Once the savarin are cold, pour the syrup all over them. They must be moist but not falling apart.
*Serve with whipped cream and slices of apricots and nectarines.










Print Friendly and PDF

terça-feira, 12 de julho de 2016

Panquecas de atum, requeijão e salsa # Tuna, cottage cheese and parsley pancakes





Chamo-lhe Água e Terra.
Uma linha de cerâmica única, feita à mão e à minha medida, que tem as qualidades estéticas dos meus dois elementos.
A ondulação que é tanto das ondas como da forma rude e organica que as mãos dão ao barro, e um brilho ténue que lembra algumas conchas, em cima da cor neutra que é tão da terra.
É natural, rústica e é perfeita para as sessões fotográficas que estão para acontecer.
Esta foi a primeira. Panquecas de atum, requeijão e salsa, leves e macias.
Um petisco feito para amigos num fim de tarde quente com muita cerveja bem fresca e conversa boa à mistura.
A verdade é que não é preciso muito para se criarem momentos que valem a pena ser lembrados :)




In English
I call it Water and Earth.
A unique line of ceramics, handmade to my  measure, that has the aesthetic qualities of my two elements.
The ripple that is both of the ocean waves as the rude and organic shape that hands give to the clay, and a faint glow that reminds me of sea shells, on top of that neutral color that is so much of the earth.
Its natural, rustic and perfect for all the photo shoots that are about to happen.
This was the first. Tuna, cottage cheese and parsley pancakes, light and fluffy.
A late afternoon tidbit cooked for friends with lots of cold bear and good chat to the mixture.
The truth is that you don´t need that much to create moments worth remembering :)














Um dos princípios básicos para fazer umas boas panquecas é não mexer demasiado a massa, desta forma elas ficarão leves e fofas.
Devem ser comidas quentes ou mornas. Depois de firas secam, como todas as panquecas.


Ingredientes: faz 12 panquecas pequenas
300 g de requeijão desfeito
3 colheres de sopa rasas de farinha
1/2 colher de chá de fermento
3 ovos batidos
200 g de atum de conserva, bem escorrido
2 colheres de sopa de salsa picada
Sal a gosto
Pimenta preta acabada de moer, a gosto
1 fio de azeite para fritar

Preparação:
*Numa taça misture a farinha com o requeijão desfeito, o fermento, os ovos, a salsa e o atum.
*Tempere com sal e pimenta preta a gosto.
*Numa sertã coloque um fio de azeite e aqueça bem.
*Coloque colheradas de massa (usei colher de sopa), baixe o lume para moderado/baixo e frite por cerca de 3 minutos de cada lado.
*Sirva ainda mornas com um pouco de maionese.



One of the basic principles to make great pancakes it´s not to mix the batter too much. This way they will be light and fluffy.
They are at their best hot or warm. Once they are cold they turn dry, as all pancakes do.

Ingredients: Makes 12 small pancakes
300 g cottage cheese, crumbled
3 tbsp flour
1/2 tsp baking powder
3 eggs, beaten
200 g canned tuna, drained
2 tbsp chopped parsley
Salt to taste
Freshly ground black pepper
A thread of olive oil to fry

Preparation:
*In a bowl mix together the flour, cottage cheese, eggs, baking powder, parsley and tuna.
*Season with salt and pepper to taste.
*Put a thread of oilve oil into a frying pan and heat it up.
*Put spoonfuls of the tuna batter (using a table spoon) in the pan and low the heat to medium/low, fry for about 3 minutes each side.
*Serve warm with a good mayo.




Print Friendly and PDF
UA-16306440-1