segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

O NATAL COMEÇA AQUI!


Fazer o doce de chila, é um dos meus rituais de Natal. Só o faço nesta altura do ano, para o usar no toucinho do céu, que é um dos doces conventuais que costumo servir nesta época.
Gosto também de por na mesa uma taça com o doce simples, para que cada um o coma como mais gostar; com queijo, com pão de ló ou com frutos secos.
Na minha cozinha, o doce aroma da chila a ferver no açúcar com um pau de canela, é o primeiro sinal de que o Natal está mesmo á porta!
Chilas

Chila partida


A "tripa", o filamento amarelado que tem que ser retirado.

Ingredientes:
1 chila
O mesmo peso da chila cozida e sem casca, em açúcar
1 pau de canela
1 pitada de sal

Chila cozida e em fios.



Preparação:
Na confecção deste doce, há dois aspectos a ter conta:
1º- Não se podem usar objectos de metal.
2º- O filamento amarelado, ou "tripa", que existe dentro da chila tem que ser totalmente retirado, caso contrário o doce vai saber a peixe.

Como a chila não pode ser cortada com faca, para a partir, atire-a ao chão, para que ela se desfaça.
Pode cobrir uma área do chão com jornais e depois atire-a várias vezes ao chão até ela se partir.
Com as mãos separe os pedaços, alguma da casca vai sair durante este processo.
Abra bem a chila e tire-lhe a tripa, que é um filamento amarelado que cheira um pouco a peixe, tem que tirar a totalidade da tripa, pois basta ficar um bocadinho para estragar o doce.
Tire também as pevides.
Ponha os pedaços da chila com a casca, numa taça com água e esfregue muito bem os mesmos, mudando a água várias vezes até a chila deixar de fazer espuma.
Deixe a chila em água limpa de um dia para o outro.
No dia seguinte, ponha a chila( com a casca) num tacho grande de preferência de esmalte, com água e um pouco de sal e leve a cozer até a casca se separar da polpa.
Tire a casca á chila e escorra bem, separe os filamentos com as mãos e pese.
Pese a mesma quantidade em açúcar.
No mesmo tacho, ponha o açúcar, um pouco de água e o pau de canela.
Deixe ferver até obter uma calda espessa.
Junte os fios de chila e deixe ferver mexendo sempre até fazer ponto de estrada.
Guarde o doce em frascos previamente fervidos e tape com papel celofane.

Ponto de estrada:
É, quando ao passar uma colher de pau pelo meio do doce dividindo-o em 2 partes, fica tipo uma estrada aberta devido á consistência do doce e as 2 partes demoram a voltar a unir-se.






Print Friendly and PDF

10 comentários:

Luciana B. disse...

Oi Mónica, que interessante, te confesso que nunca na vida tinha ouvido falar em chilas e neste doce... adorei conhecê-lo. Boas Festas para você!

ameixa seca disse...

Aqui não encontro abóbora gila mas adoro. A semana passada tiveram a amabilidade de me oferecer um pote com doce de gila :) O cheiro é maravilhoso!!!

Karla disse...

Mónica não imaginas as feiras que corri à procura de abóbora de gila e não encontrei nenhuma :(

beijinhos e bom Natal :)

Axly disse...

Que fruta engraçada, eu não a conhecia!
Fiquei com vontade de experimentar, lembra alguma outra fruta?!
Kisss e um lindo Natal.

Argolas e Bolas disse...

Olá!
Poucas pessoas conhecem a chila, mas as que conhecem é quase sempre em doce, mas a minha avó faz os chamados "bolinhos de bacalhau da horta". Faz-se uma mistura de chila cozida, ovos, farinha, sal e uma pitadinha de sal e depois frita-se à colherada. É uma delicia!!!

Beijinhos e um Bom Natal!
Célia

anna disse...

Que bela e feliz maneira de começar os festejos de Natal... para além de docinha!
Beijos de feliz Natal.

Anónimo disse...

O doce de chila é um pouco trabalhoso, mas vale a pena porque fica delicioso.E combina muito bem com a amêndoa e a tâmara em bolos.
Não imaginava que também se faziam fritos salgados com ela !E devem ser bem saborosos.Bjs. Bombom

Receitas especiais disse...

Confesso que não conhecia, interessante.

Feliz ano novo!

Odete disse...

Eu que sou uma formiga ainda nao conheco esse doce. Precisava experimentar.

Bjs

Rivera disse...

Eu detesto gila! Mas gostei de saber como é que é o aspecto dela, não fazia ideia que era um género de "abóbora" Estamos sempre a aprender!

UA-16306440-1