terça-feira, 16 de junho de 2009

Terra fria e terra quente

Uma das muitas coisas que eu e o João partilhámos, é um gosto imenso por conhecer o máximo possível deste nosso jardim à beira mar plantado. Já visitámos vários recantos de Portugal mas ainda nos falta visitar outros tantos. E de cada vez que decidimos fazê-lo, é sempre com grande expectativa e entusiasmo.
As nossas escolhas vão normalmente para o campo com passagem pelas cidades que encontrámos no caminho. Já que vivemos num centro urbano, sempre que possível, fugimos para o meio da natureza e do verde.
Aproveitando uma semana de férias antecipada, decidimos então desta vez fazer uma viagem pelo nordeste transmontano. Já conhecíamos algumas cidades como Mirandela, Bragança e Macedo de Cavaleiros mas voltámos a passar lá, pois há já muitos anos que não o fazíamos.
Fomos também a Alfandega da Fé e Mogadouro e foi daqui que subimos até á linda cidade de Bragança, onde passeamos na cidadela com as suas muralhas e onde comemos a famosa posta á Mirandesa, talvez a melhor posta que comi até hoje. Parecia manteiga de tão tenra e suculenta.



Castelo de Bragança



Posta à mirandesa


No dia seguinte passamos pelo instituto da conservação da natureza e da biodiversidade em Bragança para levantarmos informação sobre os percursos pedestres existentes em Montesinho e continuamos a subir em direcção ao parque natural.
Uma das coisas que nos surpreendeu nesta zona de Trás-os-Montes (terra fria) foi a imensidão de verde que se estende em todas as direcções. As paisagens são lindas!
Nós chegamos à aldeia de Montesinho ao fim da manhã, de um dia cinzento e frio e apesar de as condições atmosféricas não serem as melhores para fazer trilhos na serra, acabámos por decidir fazer o trilho do Porto Furado. 1º porque começava na aldeia onde já estávamos, 2º porque nos pareceu ser um percurso muito bonito, 3º porque era um trilho de curta duração (3 horas).



Trilho do Porto Furado 


Já estávamos em plena serra quando começou a chover o que nos obrigou a parar debaixo de um penedo e foi aí que o João viu o 1º corço ( animal parecido com o veado mas mais pequeno ) ao longe, quando me virei para o ver já ele estava a fugir.
Passado algum tempo, ao chegar ao cimo de uma rocha demos de caras com outro corço que de tão perto que estava ainda me deu tempo de ligar a máquina fotográfica e tirar algumas fotos com ele já em fuga aos saltos. Estes animais são lindíssimos e foi um privilégio ver um assim tão perto.







Este trilho é realmente muito bonito e diverso. Pelo caminho passámos por lameiros verdejantes, carvalhais lindos e pela barragem da Serra Serrada.





Continuamos o trilho que nos demorou 4h30 a fazer pois tivemos que parar devido à chuva e tivemos também que ter mais cuidado pois as rochas estavam muito escorregadias.
Quando chegamos à aldeia estávamos completamente encharcados, trocamos de roupa no carro e fomos ao café da aldeia para tomarmos um café e foi aqui que descobrimos o licor de giesta. O sabor fez-nos lembrar a aguardente que costumamos beber no Gerês mas muito mais doce.






Gostei muito da aldeia de Montesinho, as casas são lindas com os seus telhados típicos e varandas de madeira.





A partir daqui fomos para Macedo de Cavaleiros. Pelo caminho montes e montes cobertos de castanheiros, alguns centenários com grossos troncos com formas muito bonitas outros mais novinhos que há distância pareciam novelos de lã verde pousados nos montes.
Há aqui uma grande semelhança com a Serra do Gerês, só que os montes não são tão graníticos o que permite um maior aproveitamento dos mesmos para a plantação de árvores, principalmente castanheiros. Vêem-se também grandes carvalhais, cerejeiras e amendoeiras.
Depois de passarmos a noite em Macedo, na manhã seguinte fomos conhecer a albufeira do Azibo, uma zona de praias fluviais muito bonita e bem cuidada inserida numa zona de paisagem protegida, onde mais uma vez fizemos um pequeno trilho.





Na aldeia do Azibo há um pequeno café com lojinha onde se vendem compotas, amêndoas, nozes, azeite, alcaparras de azeitona ( na época), entre outras coisas boas. Depois de um café tomado na esplanada, entramos no carro para começarmos a viagem de regresso a casa.







Quando iniciámos esta viagem tínhamos uma ideia formada da região transmontana um pouco diferente da realidade. Para nós Trás-os-Montes era uma zona na sua totalidade um pouco árida e ao mesmo tempo agreste o que é verdade em algumas zonas mas por exemplo na zona da terra fria onde está o parque de Montesinho, o verde é estonteante e vê-se que a natureza está muito bem preservada.

Outra característica engraçada é o facto da flora ser muito idêntica à do Alentejo. No Azibo essa semelhança é flagrante mas não só no Azibo! Uma planta que se vê em todo o lado e em grandes quantidades é a alfazema, o que para mim foi uma festa, já que quando vou para o campo, ando sempre à procura de ervas aromáticas e medicinais para trazer para casa. Desta vez trouxe a alfazema e também hipericão que apanhámos num terreno perto da estrada.

Os produtos da zona são alguns já bem conhecidos como as alheiras de mirandela ou a posta à mirandesa mas há muito mais, o azeite de excelente qualidade, a cereja, a castanha, a amêndoa, a avelã, a noz, a azeitona, os enchidos de Vinhais onde também passámos, o cabrito assado em forno de lenha, os caldos incluindo o de castanha pilada, os cogumelos na altura deles, o mel, as compotas de frutas, os queijos... e muito, muito mais!
Para acabar só vos queria dizer que esta postagem é um pequeno resumo de tudo o que vimos em apenas 3 dias mas mesmo assim achei que valia a pena partilhá-lo convosco. Esta pequena viagem deu-nos mais uma vez a certeza de que vivemos num país lindíssimo com uma mesa rica e única e com muita gente boa que vale a pena conhecer. Print Friendly and PDF

10 comentários:

colher-de-pau disse...

É realmente uma zona muito bonita do país.
Passei o fim de ano em Alfandega da Fé juntamente com uns amigos, e também fomos até Bragança, Mirandela, Miranda do Douro... Adoramos. E come-se tão bem por esses lados!

Smsn - artes e ideias disse...

as fotos estão o maximo, e muito sugestivas para umas férias!!!

bjkas

ameixa seca disse...

O Norte é rico em verde mas, no geral, o país é muito rico em termos de paisagens, vida selvagem e gastronomia :) Belo passeio, quem me dera ter visto o corço... acho que ia desatar a correr atrás dele :)

Anónimo disse...

Olá,
o meu nome é Sandra( http://ideias-aromaticas.blogspot.com/ )e sou de Bragança. Quando vi esta postagem fiquei cheia de orgulho por estar a ver a minha terra tão bem retratada.
Muito obrigada por esta magnifica "reportagem".

Cristina disse...

Olá Monica

Ainda não tinha tido a delicadeza de lhe agradecer as simpáticas palavras no meu blog, mas andei às turras com ele durante uns tempos e já cá não cinha faz tempo.

Gostei de cá regressar e ver este post sobre o norte do país, do qual não conheço muito, mas alguma coisa, que recordo com apreciação muito positiva. De passear em Viana, Caminha, Gerês, Fundão, Serra da Estrela ficaram-me alguns denominadores em comum: muito "verde", natureza preservada e claro...muito boa comida :)

LPontes disse...

O Nordeste de Portugal é um privilégio para a alma e para os sentidos que poucos conhecem e a que não são alheias as amenidades (e rigores) gastronómicos.
Quando lá voltarem (e voltarão por certo que aquilo vicia), não deixem de provar o butelo com cascas ou casulas, em Mogadouro, ou o Cozido em Pitões das Júnias, na Casa do Preto, feito só com produtos próprios e um must de sabor autêntico (tem de se encomendar tel.276566158, juroque não tenho comissaõ). E se puderem, vão de Inverno, em que toda aquela beleza explode em deslumbramento!

monica disse...

Colher de pau
Smsn-artes e ideias
Ameixa,
vale realmente a pena "ir para fora cá dentro". O nosso país é lindo e apesar de pequeno tem tanto para mostrar!

Sandra,
tem toda a razão em ficar orgulhosa! Bragança é linda! Só tive pena de não ficar lá mais um pouco para a conhecer com mais detalhe.

É verdade Cristina, o Norte marca muito pela paisagem verdejante e pela mesa farta e rica.

Bjs a todas

Pedro disse...

Que bela descrição de um passeio fabuloso, a uma zona especial do nosso querido Portugal. Fiquei até um pouco emocionado. Como conhecedor da zona recomendo uma prova das alheiras da zona de Sendim/Miranda do Douro, é um sabor de outro mundo!

Parabéns

Irene Bastos disse...

Olá, já conheço o seu blog à imenso tempo e gosto muito. hoje ao procurar uma receita vim parar cá.E deparo-me com imagens que me são familiares e que me trazem boas recordações.Passei uns dias na aldeia de Pitões é lindo de morrer....bons gostos.
bjs
Tesouros da Irene este é o meu blog, tenho imenso gosto em recebe-la no meu mundo encantado.

Anónimo disse...

Bragança, a terra do meu Avô materno onde a minha Mãe viveu e estudou! Também lá não vou há alguns anos, mas tenho ideia de uma bela cidade em modernização.Gostei muito de ter passeado consigo! Belas recordações que acordou em mim...Obrigada. Bjs. Bombom

UA-16306440-1