sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Soufflé de kirsch




É sexta-feira e dia 13, mas não é por azar que hoje não tenho uma receita de chocolate para postar aqui.
Há alguns meses atrás, vi num dos meus livros, um soufflé de kirsch que guardei na memória para fazer quando os dias começassem a arrefecer, só me esqueci de me lembrar ( perceberam?!!) que a minha memória não é de fiar.
Os dias arrefeceram e quando quis fazer a tal receita, como não a tinha marcado, procurá-la foi tipo tentar encontrar uma agulha no meio de um palheiro. Procurei e voltei a procurar e cheguei ao cúmulo de folhear o livro onde ela estava e não a ver!
Podem acreditar quando vos digo, que cá em casa, a minha capacidade para o esquecimento já é lendária!
Cansada de procurar e já sem paciência nenhuma, peguei numa receita de soufflé de laranja da Maria de Lourdes Modesto, substituí o licor de laranja pelo licor de cereja et voilá, soufflé de kirsch!
Continuo sem saber se a receita que eu queria realmente experimentar é boa ou não, mas agora também não faz diferença porque sei que esta que aqui está é!
É claro que como já é habitual passar-se comigo e se calhar com muitos de vocês também, acabei por encontrar o que procurava, precisamente quando já não precisava!
Quanto ao soufflé em si, o que vos posso dizer é que é muito, muito bom. Sente-se a delicadeza aromática da baunilha que em conjunto com o kirsch resulta num sabor que eu achei delicioso.
Eu sei que um soufflé deve ser comido quente e quando ainda está tufado mas como fiz vários, não os comemos todos de uma vez e o que aconteceu é que os 2 que sobraram, depois de frios desenformei-os e sem preconceitos gastronómicos, de soufflés passaram a queques mas com uma textura tão macia e tão fofa que em quatro dentadas desapareceram da superfície da terra - ou neste caso da superfície do balcão da minha cozinha!
Bom fim de semana para todos e boas dentadas... ( salvo seja!)


Ingredientes:
40 gr. de manteiga sem sal
40 gr. de farinha
2 dl. de leite
1/2 colher de café de sal
75 gr. de açúcar
1 vagem de baunilha*
20 gr. de fécula de batata
3 colheres de sopa de kirsch ( licor de cereja )
4 gemas
5 claras
Manteiga para untar as formas
Açúcar para polvilhar as formas
*As vagens de baunilha nunca se deitam fora, podem ser usadas vezes sem conta para aromatizar molhos ou então dentro de um frasco com açúcar para fazer açúcar baunilhado.

Preparação:
A primeira coisa a fazer è untar muito bem as formas com manteiga e polvilhá-las com açúcar.
A seguir leva-se a manteiga a derreter e depois junta-se a farinha, deixa-se cozer sem alourar e retira-se o tacho do lume.
Leva-se o leite ao lume a ferver com a baunilha e o sal.
Mistura-se o leite com a manteiga e farinha, leva-se ao lume novamente e mexe-se até a massa se desprender do fundo do tacho.
Tira-se do fogão, deixa-se arrefecer um pouco e juntam-se as gemas, uma a uma, misturando bem entre cada adição e a seguir junta-se o kirsch.
Por fim e antes de bater as claras em castelo, põe-se um recipiente com água ao lume até ferver, pois os soufflés vão ao forno em banho Maria.
Se usar formas pequenas de soufflé, pré-aqueça o forno a 190º, marca 5 do fogão a gás ( pelo menos 10 minutos antes).
Se usar uma forma grande, pré-aqueça o forno a 200º, marca 6 do fogão a gás.
Enquanto a água ferve, batem-se as claras e quando estão a meio castelo juntam-se o açúcar e a fécula misturados, em chuva e aos poucos sem parar de bater, até as claras ficarem bem firmes.
Agora a parte mais delicada mas não difícil, é só ter um pouco de paciência, coisa que eu nem sempre tenho!
Para o soufflé crescer as claras têm que ser envolvidas na massa com cuidado em movimentos de cima para baixo para não as quebrar.
Feito isto é só verter a massa nas formas que podem ser pequenas (várias) ou então uma grande, pô-las num tabuleiro com a água a ferver ( a água tem que estar a ferver quando se põem as formas ) e levar ao forno na prateleira de baixo por 20 minutos.
Se usar a forma grande o tempo de cozedura è de 40 minutos e passados os primeiros 15 minutos, reduza a temperatura para os 190º, marca 5 do fogão a gás.
Servem-se imediatamente.
Print Friendly and PDF

6 comentários:

Docinhos e Miminhos da SweetSofia disse...

Adorei a tua história.. acontece-me o mesmo algumas vezes.. ainda hoje ando à procura de uma receita que já fiz imensas vezes, que a cunhada adora, que sei que a tenho num livro e não encontro! :D
Ando tentada a experimentar souflés..
adorava ter o mesmo resultado que tu..estão lindos!
bom fim de semana
beijinhos (*.*)

ameixa seca disse...

Acontece-me exactamente o mesmo! É triste mas é verdade :) Esse soufflé ficou lindo, tão subidinho :)

Leonor disse...

Que lindos ficaram os soufflés na fotografia!

(Leonor)

Carol disse...

Monica, antes tarde do que nunca, e mesmo não sendo a que queria, tenho certeza que ficou o máximo. A cara está ótima! Beijão

Pierre Corneille disse...

Que maravilha! Parece muito gostoso! Por aqui está um calor danado, mas mesmo assim provaria esta sobremesa.

Flavia Pantoja disse...

que lindo esse souflé!!! Eu adoro sobremesas com alcool!!! :)

UA-16306440-1